Em reunião na Câmara dos Deputados, entidades discutiram temas e propostas para a melhoria do setor nefrológico

Devido à gravidade da situação de assistência aos pacientes que sofrem de doença renal crônica no Brasil, a Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplante (ABCDT), ao lado da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) e da Federação Nacional de Associações de Pacientes Renais Transplantados do Brasil (FENAPAR), leva pleitos da nefrologia ao Governo Federal como forma de alertá-los quanto às crescentes dificuldades de acesso ao tratamento essencial à vida destes pacientes. O problema foi discutido nesta quinta-feira (27), em reunião com a presidente da Frente Parlamentar Mista da Saúde, deputada Carmen Zanotto.

 

Na ocasião, foram debatidas possíveis ações a serem tomadas pelo Governo, visando melhorar o setor nefrológico. Entre elas, o grupo avaliou a Emenda Constitucional 95 e questionou a flexibilidade e denominação da folha de pagamento das clínicas. Diante da pauta, a deputada Carmen Zanotto pontuou: “A tabela para hemodiálise do renal crônico está defasada e nossa intenção é buscar os reajustes necessários. Estamos cientes que 86% dos serviços de hemodiálise são realizados em clínicas privadas, sendo 90% dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).  Avaliaremos a planilha completa e retornaremos, em breve, com novas considerações.”

 

Para o presidente da ABCDT, Dr. Yussif Ali Mere Jr., é necessário ter recurso para avançar no setor. “As clínicas particulares trabalham com lucro presumido e, em meio a tantos atrasos de repasses de verba e outras falhas do Governo que afetam a nefrologia, está ocorrendo a diminuição do suporte financeiro e, consequentemente, os pacientes renais serão diretamente prejudicados”, explica.